Cruzeiro 0 x 0 URT – dez considerações

Foto: Douglas Magno

Foto: Douglas Magno

1 – Péssima partida, de raras jogadas perigosas, de excessivos toques de lado que em nada resultam. Faltou movimentação aos homens de frente; passagem ao ataque dos laterais, principalmente de Mayke; entusiasmo a figuras como Arrascaeta e Marcos Vinícius; ousadia a Alisson para arriscar jogadas em mano a mano; perícia a Willian nas finalizações. Enfim, péssima estreia cruzeirense no Ruralzão.

BLOG DO OLIVIERI NO FACEBOOK

2 – Se vai insistir no esquema adotado, Deivid precisa ajustar a movimentação e “agressividade” da equipe, sobretudo dos jogadores que ocupam as duas últimas linhas. Caso contrário, há grandes chances de o tiki-taka que ele tenta implementar ser, além de enfadonho, como foi ontem, um fiasco taticamente.

3 – Não dá, porém, para a responsabilidade da atuação e do resultado de ontem ser colocada apenas na conta do treinador. A pouca inspiração e aparente falta de vontade dos jogadores é encargo exclusivo deles próprios. Início de temporada, dinheiro na conta, por que tamanha apatia em campo?

4 – Dedé, de volta ao time titular após mais de um ano fora, teve boa atuação. Saiu-se melhor do que o companheiro Manoel, que se atrapalhou em dois lances, entregando perigosamente a rapadura em um deles. Nota 8 para Dedé e 5 ao, ontem, razoável Manoel.

5 – Estão sendo sofríveis as atuações de Arrascaeta. Contra o Criciúma, o uruguaio já havia se mostrado apático, desinteressado, indiferente. Ontem repetiu o péssimo repertório. É hora de efetivar, no time titular, o sempre entusiasmado Gabriel Xavier, que, aliás, tem mais refino com a bola no pé e inteligência para criar jogadas do que Arrascaeta.

6 – Aos 19 do 2º tempo, Deivid fez, de uma vez só, as três substituições. Saíram Arrascaeta, Alisson e Willian. Entraram Gabriel Xavier, Douglas Coutinho e Sanchez Miño. O gesto corajoso lembra muito o de Luxemburgo de 2003, que virava e mexia promovia todas as alterações possíveis numa tacada só. Ontem, se o que Deivid pretendia era unicamente mudar a cara do time, que vinha mal em campo, está valendo. Mas se foi um ato de desespero, é preocupante.

7 – De tão regular que costuma ser, é raro se deparar com uma má atuação de Henrique, embora torcedores mais exigentes insistam em persegui-lo. Ontem, no entanto, foi um dos dias em que a exceção sobressaiu-se à regra. Henrique esteve muito mal em campo, errando passes em demasia, perdendo disputas de bola, por cima e por baixo, que não costuma perder e embolando-se com Cabral na cabeça da área. Ontem, finalmente, os cornetas do bom Henrique tiveram razão.

8 – Se as duas bolas na trave, uma chutada por Willian e outra cabeceada por Alisson, tivessem entrado, nada mudaria a concepção do torcedor sobre o time e a atuação. Catastrófico não foi o resultado, mas o desempenho.

9 – A torcida foi o grande personagem do jogo. Não parou de cantar nem após sacramentado o péssimo resultado. Segundo informações, foi a Geral Celeste quem comandou esse apoio incondicional. Palmas, portanto, a essa organizada que há muito me orgulha.

10 – Começaram, pelas redes sociais, os tolos e prematuros pedidos de demissão do técnico Deivid. Difícil compreender, e respeitar, esse tipo de torcedor imediatista.

image

8 Responses to “Cruzeiro 0 x 0 URT – dez considerações”

  1. Mario disse:

    Os jogadores por apoiarem a efetivaçao de Deivid, pareciam q compraram cadeiras cativas no time titular. Deivid tera q ter pulso forte, sobre Henrique quando precisa sair para o jogo, sempre foi lento e desligado, porem la atras e muito bom e seguro. Posse de bola e no ataque e meio de campo, e nao na zaga. Ainda e muito cedo pra cobrar, mas Gabriel Xavier e Sanchez Mino pedem passagem.

  2. Flávio Cesar de Almeida disse:

    Se time é muito ruim. A esfericidade da bola é uma novidade para esses cinturas duras que vestem a camisa do Cruzeiro. A COITADINHA da bola toma ponta pé a todo instante, é de canela, de ombro de tudo menos com os pés. Estes “jogadores” do Cruzeiro, quando a bola encontra com ele parecem com os bárbaros encontrando com gente civilizada. Credo em cruz! E a ” diretoria” é só balela típico de político. Sugestão para piorar ainda mais: entrega a administração do clube para um dos “partidos” da politicagem brasileira para afundar de vez esse barco que já está a deriva.

  3. João Henrique disse:

    Grande Anderson.

    Tenho algumas impressões também:

    1) Deivid inverteu o posicionamento de alguns jogadores. Todos sabem que Alisson só rende na esquena, e naquele setor se torna nossa principal arma no elenco. Ele na direita é praticamente manco.

    Arrascaeta jogando centralizado é igual uma criança jogando contra adultos. Facilmente é anulado. O uruguaio tem que jogar pelas beiradas.

    Marcos Vinícius foi o jogador, na temporada passada, que melhor se deu bem jogando no meio campo celeste. Aí o Deivid me vai e coloca ele pelos lados.

    2) A impressão que dá é que o time não sabe o que fazer em campo. Os jogadores não sabem o que fazer, estão perdidos, talvez não pela falta de informação do comandante Deivid, e sim pelo excesso que acaba confundido seus comandados.

    3) Olivier, apesar de ser início de temporada, estou preocupado se o Devid vai conseguir dar cada à esse time, pois peças ele tem. Acredito que o Cruzeiro, hoje, possui o segundo melhor elenco do Brasil, atrás somente do Palmeiras.

    4) Meu time seria: Fábio, Mayke (Fabiano), Dedé, Manoel, Fabrício, Romero (Se vier), Cabral, G. Xavier, M. Viníicus, Alisson e Willian.

    O que acha?

    Abraço!

    • Anderson Olivieri disse:

      Salve, João! Vamos lá:
      1) comentei exatamente isto com meu velho ontem. É urgente que Deivid volte com Alisson para a esquerda. O próprio garoto tem de abrir a boca e dizer que não está confortável na direita;

      2) acho essa “bagunça”, até certo ponto, normal neste início de temporada, considerando que há um treinador novo implementando outro conceito tático. Mas você está certo na análise. Os jogadores não apenas aparentam estar perdidos. De fato estão.

      3) Só o tempo dirá. Não podemos ser implacáveis com ele neste momento. É tempo de apoio.

      4) Eu trocaria Mayke por Fabiano e Manoel por Bruno Rodrigo. De resto, de acordo.

      Abraço!

  4. Junior Moratti disse:

    Nesse meio campo do Cruzeiro com certeza sairão umas 3 peças pro banco se continuar assim…. Caso venha mesmo o Romero, Henrique ou Cabral perderão lugar, além de M. Vinicius e Arrascaeta perderão pra Pisano e G. Xavier (sendo esse ultimo vindo com gana de querer a titularidade esse ano).
    No meu time o ideal seria uma formação do 4-1-4-1 sendo:
    Fábio

    Fabiano Dede B. Rodrigo S. Mino

    Romero

    Pisano G.Xavier Cabral Alisson

    William

    Deixando Fabiano mais preso a defesa com Xavier e Pisano voltando pra buscar no meio com Cabral e Alisson revesando a esquerda com Mino. E deixar bem claro também que as laterais com Fabricio e Mayke não dá certo!

  5. Maurílio Conceição disse:

    Avaliações corretíssimas tanto sua Anderson, como tamb do João.
    Só dando um pitaco, gostaria muito de ver o Cabral mais avançado usando sua técnica mais próximo à área adversária.
    E ontem ele demonstrou isso com pelo menos dois lances que por sinal foram um dos poucos que levaram perigo ao famoso União dos trabalhadores …. como é o nome mesmo? (Rural (?)

  6. Gabriel disse:

    Meu nobre, o Henrique sempre joga o que jogou ontem, só que muitas vezes a má atuação dele é camuflada pela vitória do time. Passou da hora de sumir do Cruzeiro. Só joga aqui e no Japão, parecemos trouxas. Tanto que quando foi pro Santos começou como titular e depois foi pro banco. Lesma em campo.

  7. Gabriel disse:

    Quanto aos zagueiro, enquanto jogarmos com Henrique de volante vai estourar lá atrás mesmo, tanto que todos já foram criticados, sem exceção: Dede, Paulo André, Leo, Bruno e Manoel. A melhor dupla é a de ontem, tanto que não levamos gol, apesar do Henrique.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *